RocknGirl Series: Joan Jett

A Saloon 33 é mais que uma loja on-line que você acessa pra comprar roupas lindas. Ao longo de toda a nossa história, tivemos várias influências e inspirações que nos ajudaram a chegar até aqui.

Podemos dizer que muitos ícones estão presentes em nossas roupas e, claro, em nossas vidas. Então, pra celebrar um universo cheio de atitude, presença forte e boa música, vamos oferecer pra vocês uma dose de rock’n’roll, pensando em deixar o seu dia mais bonito, combinado? Ótimo.

É claro que somos suspeitas pra falar, mas também não há como negar a existência de milhares de motivos pra respeitar figuras como a Joan Jett, né?

Em uma indústria com fortes tendências masculinas, ela foi capaz de se manter lá em cima, ocupando lugar de destaque entre grandes ícones internacionais.

You go, girl!

Joan Jett, essa fofa, nasceu na Pensilvânia, cidade de Wynnewood, subúrbio da Filadélfia. Aos 15 anos, apenas, deixou tudo de lado em nome de seguir o seu sonho de ser música. Lá em Los Angeles a coisa começou a acontecer.

Joan Jett nasceu no subúrbio da Filadélfia. Aos 15 anos, deixou tudo de lado e passou perseguir o sonho de ser música. Lá em Los Angeles a coisa começou a acontecer.

Nos anos 70, junto com a baterista Sandy West, criou a The Runaways – primeira banda formada exclusivamente por mulheres a atingir fama internacional. Com o final da banda em 1979, Joan seguiu carreira solo e, a partir daí, tudo decolou: foi nomeada a 67ª melhor guitarrista de todos os tempos pela revista Rolling Stones (além de Joan, a única mulher lembrada na lista foi Joni Mitchell, que ocupava a 75ª posição); foi a primeira mulher a montar a própria gravadora (depois de ver seu disco rejeitado por 23 outros selos). Ativa até hoje, a The Blackhearts representa mais uma marca deixada por Joan na história do rock.

Além de manter toda a classe e não fugir do sonho de ser uma estrela do rock, Joan Jett também sempre fez questão de deixar claros o seu pensamento e personalidade. Um prato cheio de inspiração pra todas as mulheres, as letras de Joan mostram que estar confortável na própria pele e ter liberdade de expressão é um direito e um dever de todas nós. Mais amor impossível, né? <3

Só conseguimos agradecer por ter um exemplo tão forte e fucking awesome todos os dias, nos lembrando de como é bom gritar, pular, espernear e fazer air guitar pra mostrar quem somos e o que sentimos. Valeu, Joan!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *